Pular para o conteúdo principal

Sozinha

Não adianta bater
Aqui não tem ninguém pra apagar a luz depois que você dormiu, ninguém pra se certificar que a porta esta trancada, ajustar o despertador, trazer um copo d'água e dormir de conchinha, mas também não tem ninguém pra ligar o ar-condicionado no máximo e transformar seu quarto num frigorifico, ninguém pra te acordar com insonia e roubar seu edredom, ninguém.

Não adianta
Ninguém vai reclamar do transito ou gritar que o sinal já abriu. Ninguém vai mais dizer que você dirige mal. Mas também ninguém vai te explicar o caminho, te ensinar a estacionar na vaga difícil ou até mesmo dirigir quando você estiver cansada. Ninguém vai subir com a sacola pesada por você. Ninguém.

Não
Ninguém vai comentar a novela
Ninguém vai mudar de canal
Ninguém vai lavar a louça
Ninguém vai sujar a louça
Ninguém vai dar bom dia
Ninguém vai irritantemente dormir até meio dia
Ninguém vai pedir a comida
Ninguém vai cozinhar maluquices
Ninguém vai te lembrar do remédio
Alias, você não precisa mais de remédio
Agora você pode esquecer o celular em casa
Ninguém vai te ligar
Ninguém vai te criticar
Ninguém vai te elogiar

Aqui só tem eu.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Eu sei

Quem é mais tolo?
Quem espuma ou quem chacoalha?
Quem aceita ou quem se aproveita?
A esperança ou o orgulho?

No fundo a gente sabe
No fundo a gente sabe

Quem é mais feliz?
Quem perde a cabeça ou quem com ela anda?
Quem se esconde ou quem dá a cara?
O esquecimento ou a saudade?

No fundo a gente sabe
No fundo a gente sempre sabe

Vem me visitar

Um incomodo chato apertou seu estomago quando Ele realmente apareceu no bar. Todos, inclusive Ela, acreditavam que o tempo tinha curado amores mal resolvidos, intrigas da oposição e opiniões distorcidas de uma época que dizem ser passado, mas por pura falta de oportunidade presente.

Ele a viu de longe, não esboçou alegria e continuou o caminho até a mesa com mil obstáculos. Não demorou muito, mas o suficiente para despertar Nela pensamentos de defesa e estratégias de demonstrações equivocadas de sentimento. “Não vou me levantar”.

Sentou-se a sua frente, fez poucas perguntas, mas permaneceu com olhares de canto de olho e secadas a cada levantada para o toillet. Reparou em cada detalhe, cabelos, unhas, vestido e avisou o cadarço desamarrado. Ela fitava cada movimento, percebia cada intenção, mas continuava inerte. “Deve ser apenas impressão”.

Algumas vezes as piadas eram direcionadas e o sorriso tão largo que a fazia desconcertar. Ela não cansava de procurá-lo cada vez q saia do seu campo …

Vitrine nossa do dia a dia

Quando me percebi estava dentro de uma caixa de concreto, iluminada por luz neon e ar refrigerado, cada cubo se conectando com escadas rolantes.
Ao meu lado outros objetos felizes, alguns mais, alguns menos.
No corredor andavam pessoas a nos classificar com valores abstratos de simetria, estética e beleza. Foi quando um deles me perguntou: você é importada?