Pular para o conteúdo principal

Culpado

Encontrei uma pessoa, culpa do destino
Saí de casa bonita, culpa minha
Recebi olhares e cantadas, culpa minha
Correspondi alegremente, culpa minha
Aceitei a carona, culpa minha
Estiquei o papo, culpa minha
Fizemos planos, culpa minha
Te traí e dormi feliz, culpa sua

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Clareza nula

Pura falta do que fazer, pura kilometragem rodada, puro amor próprio com a autoestima em frangalios, puro romântismo nulo que me ronda nos últimos tempos e já não sei se toda essa clareza me serve para alguma coisa.
A verdade é que quebrou-se toda a magia e hoje vejo a vida nua. Cada um dá a ela o significado que consegue e assim os dias vão passando matematicamente após cada 24 horas. Os interesses são claros e não há paixão que mude onde realmente queremos chegar.
Em minhas orações já não peço nada em específico, já desisti do mistério, peço apenas o suficiente para levar os dias e bem devagar reerguer meu jardim. Cada flor é uma vitória e nem me importo com frequentes inundações, afinal tenho mais o que fazer...

Vitrine nossa do dia a dia

Quando me percebi estava dentro de uma caixa de concreto, iluminada por luz neon e ar refrigerado, cada cubo se conectando com escadas rolantes.
Ao meu lado outros objetos felizes, alguns mais, alguns menos.
No corredor andavam pessoas a nos classificar com valores abstratos de simetria, estética e beleza. Foi quando um deles me perguntou: você é importada?

você está

no meio da rua, na Vaga da garagem, na tela de email, na mesa ao ladO, no cardápio do restaurante, nas Chamadas do celular, no outdoor, no facEbook, dentro da geladEira, no porta níquel, no panfleto do carrefour, na capa do cd, na foto atrás do cigarro, na cor do eSmalte, na escolha da pizza, na risada do fim de Tarde, na noticia do jornal, no amArgo do café.